sexta-feira, 1 de abril de 2011

"O Livro Negro da Psicanálise" questiona inverdades sustentadas por Freud

 

Este livro despertará um grande debate entre os profissionais da áreaQuando foi publicado na França, "Le Livre Noir de la Psychanalyse", organizado por Catherine Meyer, causou polêmica ao questionar a validade das teorias de Sigmund Freud (1856-1939) e a eficiência da psicanálise.

Lançado pela editora Civilização Brasileira, "O Livro Negro da Psicanálise: Viver e Pensar Melhor Sem Freud" chega ao Brasil em edição traduzida e organizada pela psicanalista Simone Perelson.

O título reúne artigos, entrevistas e depoimentos de autores das áreas de história, filosofia, psiquiatria, psicologia, jornalismo e física. Os textos apontam uma série de inverdades postuladas por Freud.

Apesar de o pensamento ainda ser hegemônico na França, e de alguns conceitos --inconsciente e complexo de Édipo, por exemplo-- terem se tornado parte do vocabulário popular, a teoria freudo-lacaniana apresenta franco declínio no restante do mundo.

Para defender o Mestre de Viena, alguns intelectuais, como a historiadora e psicanalista Elisabeth Roudinesco, contestaram o conteúdo do volume. A edição proporcionou debates passionais e ampla repercussão na imprensa francesa. No Brasil --que também conta com defensores da ideia considerada obsoleta--, a publicação deve repetir a disputa.

"O Livro Negro da Psicanálise"
Organizadora: Simone Perelson
Editora: Civilização Brasileira
Páginas: 644
Quanto: R$ 55,17 (preço promocional de lançamento)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

6 comentários:

Andressa disse...

Interessante.

Arthur A. disse...

Esse tipo de ataque tem resposta adequada no livro "Por que a Psicanálise", da Elisabeth Roudinesco.

Arthur A. disse...

Ok, "ataque" foi muito paranóico da minha parte... rs.

Lívia Azzi disse...

Parece bom...

Sahge disse...

Toda vez que surge um livro assim, dá vontade de dizer ao autor; "Fale-me mais sobre isso".
Quando a crítica é epistemológica (o que raramente acontece), a ciência que é contestada em seus postulados, agradece, reformula, reafirma, avança...
Mas quando a obra se resume a ataques pessoais ( no caso do livro de Michel Onfray, a montanha rugiu e pariu um rato! Faltou só dizer que o velho Sig era nazista...) serve unicamente como curiosidade, mas não quero desqualificar um livro que ainda não li.

Porém, o próprio título me parece intencionalmente sombrio, como se a autora estivesse a ponto de revelar que a psicanálise é um tipo qualquer de seita satânica...
Desanimador...

Cristina Lira disse...

Oiii...
É sempre bom vir aqui e receber essas energias que fluem de suas palavras.
Energias que inspiram e acalmam, que agitam e nos poe pensamentos e ideias na cabeça.
Bjos no coração e tudo de bom pra vc. É bom poder estar aqui...